quarta-feira, 22 de dezembro de 2010

Meu anjo

Um anjo de castigo do meu lado
Se mostra, sem pudor, aborrecido
Um tédio de impotência, corrompido
Meu anjo cá comigo, desolado

Fez voto de silêncio, nem gemido
Nem grito nem conflito com pecado
Seguiu-me destemido e embaraçado
Até ficar sem cor, desiludido

Empobrecido, mudo e diminuto
Debruça melancólico e saudoso
Curvado pelo peso de ter asas

Um anjo só, sem glórias, guarda luto,
E aguarda, cada vez mais ansioso,
O dia de deixar a minha casa.

terça-feira, 21 de dezembro de 2010

Patria filha

Gestação de pátria leva vários anos
Desavenças, muitas lutas, muito impasse
Tanto embate, é claro, sempre causa danos
Toda pátria verte sangue enquanto nasce

Uma vez nascida, o povo soberano
Na bandeira pinta a força que renasce
E a recém-nascida pátria veste o pano
como em manto de esperança se abrigasse

Quando cresce a pátria, filha de seu povo,
Retribui em dobro o quanto recebia
Às futuras gerações, um berço novo

É o abrigo, liberdade e poesia
Será fonte de utopias, do renovo
Será plena, renascente a cada dia

segunda-feira, 20 de dezembro de 2010

Da diarreia de Dom Pedro I

Sobre a mula, inda sofrendo a diarreia
Nosso príncipe Dom Pedro enfim se zanga
Lendo a carta ali, às margens do Ipiranga,
Resolveu posar pra história e pra plateia

Se sentindo a mais rainha da colmeia
Decidiu fazer um show pros seus capangas,
Ergue a espada, dá chilique, solta a franga
Diz: “nem morto abdicarei de minha aldeia.

Vou seguir uma novíssima tendência
(e dizia dentre arrotos e risadas)
Vocês morram pela minha independência

que eu não volto, reino aqui, não pega nada!
Que se cumpra, diga ao povo, dê ciência,
Com licença, que eu vou dar outra cagada.”

domingo, 19 de dezembro de 2010

Operários

Somos Anitas, somos Plínios, somos Mários
e construímos como artistas verdadeiros
de muitas raças, muitas crenças, somos vários
como tijolos empilhados nos canteiros

Na mais-valia nos sabemos operários
uns novos Judas nos vendendo por dinheiros
No chão das fábricas, por míseros salários
deixamos fibras, nossas vozes, nossos cheiros

Manufaturas todas levam nossos traços
são nossos braços que produzem as riquezas
Sobram fraqueza, a pele opaca, os olhos baços

dão-nos cansaços e as rotinas e as tristezas
nossa certeza: o tempo escasso e o pouco espaço
corpo em pedaços, que nossa alma siga ilesa.

sábado, 18 de dezembro de 2010

Completo

Seus olhos impossíveis no retrato
Decerto são certezas e conflito
Caminha exuberante como um mito
e em cada traço afasta o caricato

Seu corpo expressionista é forma e fato
E a natureza planta um olho aflito
Nas tintas que lhe escapam como um grito
Liberto de vergonhas ou recato

Repleto de passados e devires
Carrega um trovoar e um arco-íris
Um lustro de medalha e seu reverso

Reflete força e dom de ser completo
Como as vinte e seis letras no alfabeto
Como um soneto em seus quatorze versos.

sexta-feira, 17 de dezembro de 2010

Nêga

A Nêga não nega presença na festa
Pagode ou seresta, quem gosta se achega
Terreiro é da Nêga, que santo contesta?
É deusa imodesta, da sanha e da entrega

Seu colo aconchega a quem goza ou protesta
Quem louva ou detesta, inimigo ou colega
Paixão louca e cega e quem diz que não presta
Leseira mais besta e quem nunca sossega

A Nêga abençoa de prece e folia
Mulata alegria nas danças e cantos
Libera esse encanto de paz e alforria

Aos filhos e filhas, ungidos por tantos
Axés e acalantos da Nêga Bahia
de dengo e energia, de todos os santos.

quarta-feira, 15 de dezembro de 2010

Gêmeas

Porque protestam contra todo o feio
E o tom alheio desse cinza-exato
Porque nos bustos levam mesmo anseio
E seus receios não se aceitam fato

É que perpassam lindas nesses meios
feitos de arreios, dos mais vis contratos
E desacatam livres, sem rodeios,
Os tantos freios dos eternos chatos

Porque têm olhos que colorem tudo
Porque são várias e percebem mundos
E são enormes suas forças fêmeas

Dizem tão claro que me deixam mudo
Enxergam tanto que jamais confundo
São tão diversas que parecem gêmeas.

sábado, 11 de dezembro de 2010

Retirantes

Pisando em ossos, tudo é morte e nos convida
À derrocada, a desistir desse cansaço
Desse acidente, desse horror chamado vida
Feita de dores, de incertezas e fracasso

Penando expulsos, retirantes sem saída,
Vão nossos olhos para novos endereços
Nos apoiamos nas tragédias reunidas
Em nossos corpos, carregados aos tropeços

Pois caminhamos doloridos, transtornados
Emudecidos sob um céu de desconsolos
Nossos lamentos cada vez mais ressecados
Pela miséria, pelo infértil desses solos

Abandonados, desespero e desconforto
Até que o corpo ache descanso, tombe morto

terça-feira, 23 de novembro de 2010

Trechos 2

Dos longes de ironias mais antigas
Até as finas facas dessas brigas
Duvido como fosse cor de sonho
Desde a pura alegria ao mais tristonho

E já que se explodiram big bangs
após consagração desses améns
não há razão com força de certeza
nenhuma convicção salvou-se ilesa

De galáxias longínquas, digo nada
É ritmo, rima, métrica e piada
Um som e só, ensaio pra assovios

E pensamento é vento de invisível
Gestante, por incresça que parível
Do vácuo prenhe vazam mais vazios.

terça-feira, 16 de novembro de 2010

Duas palavrinhas

duas palavrinhas já bastam
fiquemos com poucas, vagarosamente

rosam poucas vagas
duas já, fiquemos

palavras ficam
pouco
vagam mentes (duas)

mentem poucas palavrinhas,
já bastamos de vagar

(rinhas vagas
ocas)

bastam duas
bocas palavras.

segunda-feira, 15 de novembro de 2010

Adorno

canetas não andam sozinhas
ninguém rouba vozes dos verbos
as letras se forçam calores
matéria e etéreo

poemas não sofrem de amores
nem loucos revelam mistérios
mas ficam conceitos e lendas,
de laudas e linhas e versos

escondem-se ali desertores
disfarçam auréolas e caudas
propõem grandezas e rinhas,
o sangue e a fada

é credo, não mudo nem cedo
algum arremedo de febre
concebe nas frestas de muros
uns claros e escuros de gatos e lebres.

segunda-feira, 8 de novembro de 2010

Madrigal

teu beijo e madrugada se eterniza
aflita minha tara
o cheiro de horizonte nessa brisa

achada rima rara
a desculpa precisa
a noite se enciúma enquanto aclara

madruga um beijo a noite fica insone
meu corpo sem acordo

a fome fica enorme quando mordo
e o gosto tem teu nome.

domingo, 24 de outubro de 2010

Bons inimigos

ideias vieram de focos de luzes
e alguns refletores sentiram ciúmes
da força do lastro da pose e perfume
de estranhos presságios sem santos nem cruzes

alguns enxergavam uns não avestruzes
temendo atacaram malvados e impunes
por culpas e medos das bases aos cumes
de falsos excessos confessos se acusem

decerto perderam-se alguns parafusos
um termo confuso desanda o debate
misturam-se glórias e uns tantos abusos

agridem defendem cercados de empate
e bons inimigos desejam confusos
que breve se rendam que sempre se matem

segunda-feira, 18 de outubro de 2010

Mínimas 3

psi

inquietude
de urgência a sede
permeio-dia quente

a falta e tão-somente
o quando se concede

***

eterno principio

além do
mais o que
foice foi

já passou.

****

Qual a pista?

para a fuga
outro impasse
noite quente

eu presente.

****

e dois

Dá-me dama
passe em fácil
vez compasso

charme e infâmia.

****

in

e me disse
leve enlace
faça a face
vide em riste

pôs-se passe
meu limite

***

Vespeiro

De medo e de preguiça digo amém
que quero fugir logo da batalha
enquanto a turba torpe aos ventos gralha
ser ampla maioria - cem em cem

Para enfrentar a corja só desdém
me cobre vez escudo, vez mortalha
sem arma ou munição, juntar a tralha
fugir ou desse bando ser refém

A última mesura pra cambada
depois ganhar o trecho, e segue estrada
retomo o meu destino viajeiro

Despeço-me, beijinhos e os abraços
e vazo, vou buscar novos espaços
não vou meter a mão neste vespeiro.

sexta-feira, 15 de outubro de 2010

Mínimas 2

sem doma

de instinto crente
vinha tinta
mistura

espora criatura

consinta
a dente
cura.

****

ciso

sou só refém
do quanto trago
levando a cabo
a mim também

nem só o bem

nem tão culpado

****

pré ferida

era ladeira
refez descida
pôs-me entre tantos

nos pêlos cantos

quarta-feira, 13 de outubro de 2010

Mínimas

nubla

pois a noite
de sozinha
também sofre

e definha

****

sedna

aflito e relapso
elíptico e ártico
esquecido céu

exausto sepulcro
orbita

****

feito

desenham-se gestos
de voz e conceito
um claro contesto
a puros e eleitos

não raro confesso...

Feito!

****

marés

não vinga o ponto
nem vem a prumo

nunca há desconto
sempre há consumo.

sexta-feira, 8 de outubro de 2010

Gene egoísta

pois tudo é traição e coopera
e é paradoxal frágil e impreciso
concorre a parceria ao prejuízo
e toda confiança tende a zero

o ser não se perdoa de inocente
na fina sintonia co o inimigo
um olho poderoso e próprio umbigo
que a banca vende o jogo que pretende

e o egoísmo é um santo replicante
pois toda vida quer-se no adiante
e quando encontra espelho oferta ajuda

convida pra ser par na contradança
nas valsas de perfídias e alianças
apunhala pedindo que lhe acuda

terça-feira, 5 de outubro de 2010

Razão

Por que que eu brigaria por razão
se desarrazoados ditam lei?
Eu, que já sou lesado, ficarei
pior caso me meta em confusão

Enquanto nesta corte os bobos são
coroados, um príncipe, outro rei
se brado contra o bando inda serei
condenado à tortura, escravidão

Melhor pro meu nariz deixar barato
"cachorro grande" uns dizem, vejo um rato
alimentado além do que convém

Quem for mais cego é rei, percebo agora,
meu olho arrancarei, jogarei fora...
De medo e de preguiça eu digo amém.

Noite insone (com edição TROVART)

segunda-feira, 4 de outubro de 2010

Retardado

às vezes eu pareço um retardado
e quanto mais concentro mais me espalho
sou santo mesmo estando o mais errado
o exato me parece ser mais falho

conservo com carinho se quebrado
se é fácil certamente me atrapalho
às vezes eu pareço um retardado
se pouco custo eu acho que mais valho

duvido quanto está mais que provado
em férias desenvolvo o meu trabalho
passeio pela paz mas vou armado
dirão que o céu desaba e eu só gargalho
às vezes eu pareço um retardado

segunda-feira, 27 de setembro de 2010

Biográfico

Nasci canhoto de fim de agosto
mês de cachorro louco
ventos fortes, mau agouro

deve que a molecada soltava pipa
deve que doeu o parto
normal
virgem pra sagitário
em ano de coelho
Pequeno, menos de meio metro
e inteligente, noctívago, colérico

Me matando e me vivendo
correndo atrás e fugindo
cresci
para mais de metro e meio
de alegria muda e desespero falastrão

sem canetas nem pernas com vontade própria
tenho tudo que está comigo

mas devo muito.

sábado, 25 de setembro de 2010

noite alta

Às três da madrugada eu acordado
E tenho compromisso logo cedo!
Desligo a luz, religo-a, preocupado
Se durmo agora é certo que me excedo

Pra histórias de Morfeu não dou enredo
Café será um amigo e aliado
Às três da madrugada, eu acordado
E tenho compromisso logo cedo!

Mas devem perceber o meu estado
Parecerei de mim um arremedo
Só pode ser mandinga, mau olhado
Se passo a noite insone fico azedo
Às três da madrugada eu acordado...

domingo, 19 de setembro de 2010

Ira

É quando o ódio queima e ganha algo cortante
em que seu próprio instante escolhe qual destino
entre o ferver do sangue ou se manter cretino
entre abrir mão do gume ou se fincar adiante

é quando a ira mira o ser culpado à frente
em que o cartucho teima em se fazer de plano
a raiva merecendo e logo após o cano
e covardia teme o dano e se ressente

entre vingança pronta em garfo fumegante
ou refrear-se o impulso e sufocar de sede
entre o sentir-se besta e a fera ao seu comando

é quando o sem razão acode ou foge errante
e senso é seu algoz e está contra a parede
e seu juízo surta ou segue se ferrando.

terça-feira, 14 de setembro de 2010

Primavera

Eu sinto como houvesse um reinício
setembro, quando passa do equinócio
É o mundo que convida o olhar e o ócio
é flora que encontrou tempo propício

Beleza, muito mais que mero indício
desfilando mais leve, doce e dócil
Primavera zelosa, um sacerdócio
que só finda em dezembro, no solstício

Celebrando estação de mais amores
assaltam nossas ruas vivas cores
céu azul, tempo ameno, belos dias

Surgem ninhos, abelhas, girassóis
sensação que eu e o outro somos nós
natureza declama poesias.

domingo, 12 de setembro de 2010

Tempos

Inexoravelmente o tempo esquece
e a memória envelhece perde o viço
imagens antes muito mais que isso
desbotam em conjunto co interesse

é quase como o eterno nos dissesse
que nosso senso é frágil quebradiço
e fica nalgum limbo movediço
que a cada novo olhar outro parece

os sonhos são carentes de futuro
e juras proferidas no passado
se furtam nas vontades de presente

pretérito se esconde atrás de um muro
desejo em si percebe o estar fadado
ao frio que no tempo se pressente.

quinta-feira, 9 de setembro de 2010

Vagando

Restou-me esta tristeza tão doída
Sozinho e repetindo o descompasso
O mau humor lotou meu pouco espaço
Fiquei aqui sem sono nem saída

Sobrei, pior, rastejo em minha vida
E caravanas ladram quando eu passo
Memórias promovendo um panelaço
Pedindo a direção que foi perdida

Fiquei com microondas, frigobar
E a cada dia mais roto e largado
Querendo e tendo medo de encontrá-la

Só eu, sem lado ou voz, sem vez nem par
Sofrendo e tendo dó do meu estado
Vagando à noite neste quarto-e-sala.

quarta-feira, 8 de setembro de 2010

Mira baixa

Se te vejo dançar o tempo pára,
Uma parte de mim fica inquieta
Cupido mirou baixo a sua seta
Teu remelexo atiça a minha tara.

Se, dançando, me fitas, minha cara,
Depois te ouço chamar - Vem, meu poeta!
A febre que tua frase me acarreta,
Percebes ao me olhar, no corpo é clara...

Agora o que mais quero neste mundo
É em ti me aprofundar, ir mais pro fundo...
Querida, quer ouvir um teu vassalo,

Que inebriado está por teu encanto,
Chega perto de mim, vem cá, num canto
Continuar dançando o mesmo embalo.

segunda-feira, 6 de setembro de 2010

Pequeno princípio

Sou preso então àquele a quem cativo,
devendo eternizar certa postura
que agrade à cativada criatura?
Fui pregado na cruz de um adjetivo!

É dano que não planto e não cultivo
não vou representar caricatura.
Estranho, o cativado é quem captura
e o cativante é quem fica cativo?

Não juro ser pra sempre o que ora digo
por isso nunca disse: “vem, me siga!”
eu cuido, e muito mal, do meu umbigo

não sou de nenhum clube, classe ou liga
meu eu de ontem vai sempre comigo
mas fica caladinho ou já dá briga.

sábado, 4 de setembro de 2010

Sujeito

se rolasse que minh’alma fosse minha
e se fato fosse um’alma que me fosse
e se cérebro seguisse a mesma linha
e se fosse de nascença ou mais precoce

se ficasse entre o ofendido e o agridoce
no discurso que de pronto se encaminha
ou gostasse como um vice que se emposse
e se aposse da crendice e ladainha

caso o tempo fosse eterno e repetisse
o que disse e fiz de novo mesmo jeito
e se fosse condenado à tal mesmice

e se Nietzsche melhorasse em meu conceito
consciência como eu quase mas não disse
pois relembro sei estou e/ou sou sujeito.

segunda-feira, 30 de agosto de 2010

Recado

Acontece que sei que seis leitores
visitam minhas páginas estranhas
e me perdoam falhas, tantas manhas
de criança birrenta, os maus humores

tão di_versos nas linhas desses textos
e os elogios que dizem não mereço
que sigo tateante, o meu começo,
mas conto com o apreço - meu pretexto

Revisito meus versos re-sentidos
como quem diz mentira ao pré do olvido
e busco uma outra forma, um outro traço

Por isso estou distante, não inerte
em vãos velejo e a verve só diverte...
Aos seis eu agradeço - e o meu abraço!

quinta-feira, 26 de agosto de 2010

Amo-te II

Amo-te tanto, mesmo insano aceito
E a violência do teu sentimento
Te deixa bobo, raciocínio lento
Que me precisas do lado no leito

Intensidades são nossos defeitos
E o teu domínio define o momento
Amo-te tanto que a mim arrebento
e não há fuga nem volta, suspeito

Amo-te, creio, pois me poste algemas
E te encarceras, medidas extremas
E me sustentas como fosse um vício

E porque espero carinhos e penas
E insanidades são coisas pequenas
Amo-te tanto que inda morro disso

sábado, 21 de agosto de 2010

Amo-te

Amo-te tanto que te quero morta
Que diminuas, vires só lembrança
Pois some, bate atrás de ti a porta
E jamais voltes, pago-te a mudança

Ou corres risco de eu querer vingança
Dum sentimento que só desconforta
Quando de noite sobre mim avança
Então me oprime, drena, até me entorta

Amo-te tanto, e é muito perigoso
Qualquer bom tempo sempre é antegozo
De acontecências de tragédia e horror

Amo-te muito, não quero por isso
Ficar tão perto, sei do precipício
E do tormento desse meu amor!

quarta-feira, 18 de agosto de 2010

Mistérios

Posto fossem só mistérios sem enredo
que fizeram pouco o pouco que restara
do carinho que acabava tão na cara
já cansada e mal dormida desde cedo

Posto fossem só mentiras, sem história
que fizeram gumes, cacos e demências
e que fossem, como foram, displicências
que assanharam nossa verve acusatória

Quando eu olho pro passado fico tenso
percebendo as rugas, rusgas dessas horas
nos espelhos, minha cara, quando penso

raso ou denso, no não-ser e nu lá fora
sinto dor, melancolia, um ódio imenso
do suspenso, do que foi, do que é o agora.

segunda-feira, 16 de agosto de 2010

Pacabá

Eu planto, mas é só pro meu consumo
Ficar puxando o saco? Ah, mano, pára...
Eu sei o quanto amigo é coisa rara
Nos dedos duma mão faço o resumo

À falsidade nunca me acostumo
Safado tirar onda co’a mi'a cara
O sangue ferve, truta, o coração dispara
E perco a paciência, o ritmo e o prumo

Podia tá matando ou tá num furto
Mas acho mais da hora, véi, eu curto
Botar minhas bobagens num papel

No mais fundo da mente eu sou favela
E enquanto a outra é longe, etérea e bela
A minha musa é boa e dança créu.

domingo, 15 de agosto de 2010

Sono

Acaba. Cansaço e fastio da dança
nada esperas, vês ninguém
não sobressaltam lembranças.

Dorme em paz na noite mansa...
silêncio o sono entretém
- até o sonho descansa.

Muito poucos dormem bem...

...se voltasse o ser criança...

Decadência

Nessa vida em que tendemos ao fracasso
nesse mundo tão sem prazo e sem medida
nessa luta que começa já perdida
vejo o jogo, todos ganham quando eu passo

Nu, sem graça, represento outro palhaço
largos passos se aproxima a recaída
tudo acaba, desde amor até a bebida
danço louco nenhum ritmo no compasso

Neste rumo em que o passado passa adiante
como um sonho, cada vez mais delirante
sigo espanto ou desencanto? o passo hesita

Meu momento arrependido de existência
tudo fede à mais completa decadência
tudo corta, tudo sangra, tudo grita.

sábado, 14 de agosto de 2010

Crime

Vorazes inimigos à espreita
instigam paranóias e me alerto
Da brisa que plantei, virão, decerto,
terríveis tempestades na colheita

Sequer fugir agora me aproveita
ao horizonte seco e atroz deserto
futuro tudo deixa a descoberto
aguardo para breve a pena eleita

Deveras ansioso por castigo
ao que já devo mais inda acrescento
alegando inocências que não tenho

Pior que os inimigos me persigo
a culpa determina o movimento
Com mais voracidade e mais empenho.

quarta-feira, 11 de agosto de 2010

Livre iniciativa

Porque eu não escrevo, o poema é sozinho
se sai escrevendo, se escolhe e se inspira
depois se arrepende, então chora, suspira...
...eu fico assistindo tomando meu vinho!

Poema carente procura carinho
então se dedica outras odes e liras
quer ser infinito, no eterno se mira
enquanto o observo vaidoso e mesquinho.

Poema arrogante, o poeta, um omisso
não viu nada disso, servil, não fez conta
engana que é gosto, perdoa que é vício

distrai-se nas rimas não sobra uma ponta
que seja desculpa, lhe explique o sumiço
(o vate é tranqüilo, poema é que afronta).

O amor agora segue do meu lado (*)

O amor agora segue do meu lado(*)
E nele hei de encontrar toda guarida
Após tantas tormentas minha vida
Afastou todo mal, me vi curado

Foi paz pro meu espírito cansado
Sabendo a solidão tão merecida
Regozijo maior, vê-la vencida
Faz cultivar o amor e seu reinado

Correção e firmeza sendo o norte
Ao qual miramos sempre, o passo forte
Cientes dos horrores nos cenários

Mas tal proximidade, o laço estreito
Reforça a fé no mundo, aquece o peito
Nos une ao universo, abraços vários


(*) - primeiro verso do último soneto da COROA MAGNA DE SONETOS, de Marcos Loures.

segunda-feira, 9 de agosto de 2010

Depois de tudo (perdido)

"Não sei se estou sofrendo
ou se é alguém que se diverte
porque não? na noite escassa"

Carlos Drummond de Andrade


Andamos descuidados eu e o medo
esperança padece seqüestrada
por mil mãos assassinas imolada
espera e vem a morte tarde ou cedo

Mentiras eternizam-lhe o degredo
enquanto em buscas vãs encontro o nada
Talvez pudesse rir de tal piada
não fosse tão custoso ser brinquedo

Um deus se divertindo em noite escassa?
Feroz mas não abate sua caça?
Desejo só que um carro me atropele!

Mas não, todos dirigem com cuidado
desviam-se de mim, como aleijado
carrego desespero sob a pele.

“Minha bela Marília, tudo passa
A sorte deste mundo é mal segura”
Tomás Antônio Gonzaga



Então, bela Marília, caminhemos
por parques, pelos prados, pelas praias
Aproveitemos ovações e vaias
façamos logo enquanto nós podemos

Conheçamos, Má, meios e os extremos
que os outros todos são nossas cobaias
pegue umas roupas, tuas minissaias
não temas nada pois nós tudo temos

Vivamos livres como dois canalhas
quem sabe um dia um banco a gente assalta
fugimos ricos pras Ilhas Canárias

e aí para sempre é curtição, na flauta
só eu, você e a veia literária
o resto eu deixo que não me faz falta.

domingo, 8 de agosto de 2010

Nem...

Nem tudo mede a balança
nem tudo vende na feira
nem tudo é só brincadeira
nem todo xote é pra dança
nem toda noite é criança
nem todo truco tem tento
nem toda dor tem alento
nem é sempre a poesia
mas tristeza é todo dia
quando a saudade é tormento

nem sempre cesto faz cento
nem toda nuca arrepia
nem toda droga vicia
nem todo choro é lamento
nem todo vinho é tão bento
nem todo verde, esperança
sem tudo o que cai, balança
nem sempre é boa a vizinha
nem veio - e disse que vinha!
Nem todo xote é pra dança.

nem sempre esperando alcança
nem tudo que sobe, desce
nem toda dor adormece
nem todo exercício cansa
nem sempre vem a bonança
logo depois da tormenta
nem toda cerca arrebenta
nem sempre faço o que disse
nem sempre se elege o vice
nem todo verso acrescenta

nem toda estrada é tão lenta
nem todo angu tem caroço
nem toda festa, alvoroço
nem todo leitor comenta
nem todo erro tem ementa
nem toda moça faz trança
nem sempre rende a poupança
nem sempre vale a intenção
nem todo santo é cristão
nem todo sono descansa

nem todo touro é tão manso
nem toda bruxa pressente
nem meu silêncio consente
nem todo sinal avanço
nem todo pescoço é ganso
nem todo barulho é vento
nem tudo que quero eu tento
nem todo sábado é festa
nem todo poema presta
nem, com tão pouco, contento.

(nem todo boteco eu sento
nem toda mula se empaca
nem todo leite é de vaca
nem tudo que conto, aumento
nem todo olho é tão atento
pra entender a diferença
nem todo frio condensa
nem todo oculto é sujeito
nem toda mágoa é despeito
nem todo crime compensa.)

sábado, 7 de agosto de 2010

Rondel apressado

Há justificativa pr’essa pressa
ou já nem sabe mais pra onde iria?
Acaso é algum tipo de promessa,
jurou jamais deixar hora vazia?

Perdeu no compromisso a alegria
melhor se concentrar no que interessa...
Há justificativa pr’essa pressa
ou já nem sabe mais pra onde iria?

Menor que seja o atraso já se estressa
até pro seu prazer há correria
de olho no relógio, mais depressa
se põe a devorar comida fria
Há justificativa pr’essa pressa?

Guerra santa

Qual dos deuses explode este planeta
nessa sanha de ver sangue jorrar?
Gentileza de Zeus, Tupã, de Alá,
Anhangá, Ares, Marte, do Capeta?
Por que deuses nos põem nessa treta?
E qual deles mais ri de quem se ferra?
Algum deles traria paz à terra
até para o inimigo declarado?
Quantos deuses estão de cada lado
quando o mundo celebra a santa guerra?

terça-feira, 3 de agosto de 2010

Pai

Lá dentro do caixão está meu velho
e agora já não posso ser o filho
Os pêsames ressoam estribilhos
repetem-me pesares e conselhos

Meu pai lá no caixão está defunto
Nem é ele que está, já nem existe
E eu sinto... O que que eu sinto? Estarei triste?
Estou pior que triste, eu morri junto.

Tá dentro do caixão, termina o cara
Que mais zelou por mim nesse planeta
e concedeu bem mais do que o gameta
e agora o mundo muda e desampara

Está morto e encerrado, acaba o homem
um corpo que se enterra e os vermes comem.

domingo, 1 de agosto de 2010

resta

O que há e diz ainda
nessa minha poesia
o silêncio quem diria
que era fria que era finda

e por que de novo a rima
que não quis e não devia
assim perco poesia
ou é quando se aproxima

o que conta, dizem todos
tão ladinos, tão nosotros...

que me vou virando folhas
ponham rolhas nos ouvidos
sejam seus os meus ruídos
quase nadas vagas bolhas.

Excesso

eram muitas intenções e quase todas
nossas boas condições pra vôos curtos
eram muitas distrações tantos assuntos
que passávamos de pasmos para tontos

sobreveio um ponto cego prato pronto
e o que antes fora sol tornou-se surto
do que foi tão evidente só um vulto
afogado numa gota dessas ondas

nos sentimos arrepios e descompassos
e provamos nossas noites mais vazias
quanto mais abarrotadas de promessas

nos provemos de premissas e cansaços
decidimos como não amanhecia
acabamos porque o dia tinha pressa

quinta-feira, 29 de julho de 2010

Na linha

Pelamordedeus, mulhé!
A quem se quer enganar?
Isso é abusar da fé...
De observar o mar
ninguém vira marinheiro...
Pelamordedeus, mulhé!
O que eu iria falar
co’essa vida de ceifeiro
de quem prepara o jantar
pra comer só e de pé
Que quintende de amor
quem tá louco por dinheiro?
Pelamordedeus, mulhé!

costume

podia que essa dor nem fosse minha
quem dera aquela festa alucinada
prefiro minha pena àlguma espada
e nem o meu conselho Tina tinha

te juro não cantei minha vizinha
jamais que aplaudiria essa tourada
e cheia de deveras e enroscada
embora atroz tempesta um vento alinha

quisera que essa dor só fosse sua
talvez se nua a moça eu não estava
jamais na poesia pena alguma

achei a noite linda estrela e lua
jurava que domina mira escrava
por mais seja ruim ‘cê se acostuma

Palavras

Não mais rimam as palavras
rebelaram-se contra métricas e aliterações
e emudeceram
as palavras desenhos no papel
longas sintaxes beijando latins
não.
um, dois,
teste.
cantam nuas
mas não climam as palavras.

(Metrificam papéis sintáticos
latem duas rimas
e dão mudas

mais não imam as palavras).

sexta-feira, 23 de julho de 2010

é,
eu tenho fé
no intangível, no impossível
eu tenho fé
que a verdade é inconcebível

ah,
credito sim
está dentro de mim
com coração, fígado e rim

se deuses há
eu tenha fé
em mim

domingo, 18 de julho de 2010

Noite insone

Em sua última noite insone
você cantou, dançou, bebeu?
Passou frio e passou fome
soube que o filho era seu?
Foi subida inspiração
fogo mandado do céu?

Em sua última noite insone
o que foi que aconteceu?

Foi repetindo a rotina
foi naquela sexta-feira?
Foi delirando sozinha
foi curando a bebedeira?
Foi brigando com a vizinha
foi vestida de enfermeira?

Em sua última noite insone
o que lhe acontecera?

Foi dia de casamento
o romance te prendia?
Comemorou o espetáculo
foi doença na família?
Desmoronou o barraco
engravidaram sua filha?

Em sua última noite insone
o que é que acontecia?

Nem sei se tanto

um frasco, o espanto
    interrogação
um biltre, o esquisito
que somos e são.

          e no alquebrado
          o susto, o receio
          que quase na mão.

um tormento, um estrago
uma ilha, um tufão
o boneco biruta
que somos ou não.

          ou só a metade
          ou só um pedaço
          ou só na intenção.

sábado, 17 de julho de 2010

Segurança

quando eu abro esta janela no meu quarto
pelos vãos das grades vejo só um muro
- tendo pouco mais de dois metros de altura
de tão próximo parece bem mais alto

um cenário de metal e de concreto
paisagem cinza fora e cá de dentro
mais ferragens, fechaduras, mais cimento
isolando minha câmara secreta

artefatos para paz e segurança
cerca elétrica assegura mais distância
entre o ser que se aproxima e o olho mágico

um alarme, disparando ao movimento
cães vorazes, furiosos, sempre atentos
protegendo o que me resta com meu máximo.

sexta-feira, 16 de julho de 2010

Trechos

A duvidar que a vida seja sonho
ou presente mandado pelo infindo
assisto à crueldade, e já vêm vindo
temerárias paisagens, céu tristonho

Aos assassinos quase peço bênção
Em arremedos toscos, vãos e hilários
vou gastando meu cérebro e salários
sabendo (e como o sei!) o que eles pensam

Porém nesta embaixada a tal política
reveste-se de deusa e perde a crítica
e me profana tumbas, ferve verve

Acelerando a prece o fim de tudo
e não servindo o mundo eu fico? Mudo!
Pra tão pouca existência um qualquer serve.

quinta-feira, 15 de julho de 2010

Eternidade

Como aquele prazer além do intenso
que calafria a espinha eriça pêlos
querer senti-lo e mais sonhar retê-lo
requer sido ordinários outros tempos

como doce que chega arrebentando
percepções como fosse inda mais doce
e sempre mais potente em maior dose
perdendo qualquer pose sem descanso

a queda livre eterna neste abismo
o corpo todo aceso já sem corpo
a lógica engolida em fantasias

pior que desconforto tal lirismo
um cismo engole um cético está morto
cruel eternidade me diria.

quarta-feira, 14 de julho de 2010

Cena e texto

Oprimidos, pois faltantes paz e encanto
entretantos nos fazendo tão falantes
os minutos rastejando, cada instante
demorado, tudo lento por enquanto

Tudo pronto, desde o vinho ao andamento
da cantiga, mas a pele displicente
olhos, boca, tudo atento e nada sente
por enquanto tudo estanque, tudo lento

Par perfeito se perdendo no compasso
cada passo mais afasta, mais perdidos
ensaiados, desde a pose até o gemido
mas o enredo se esboroa, tudo lasso

Nosso corpos fazem cena quase tristes
porque encanto, por enquanto não existe.

domingo, 11 de julho de 2010

Reserva de mercado

"Você diz que sabe muito, vagalume sabe mais
vagalume acende a bunda, coisa que você não faz"
TIBILK


Disseram, poesia não é isto
É mais que discursar sobre o que eu acho
querer-me imperador, ver_me capacho
arrotar heresia, achar_me o Cristo

Sequer é sonetar, mas nisso insisto
às vezes como quem faz um despacho
porque buraco eu cria mais embaixo
sem tal burocracia - exigir visto

Sou contra essa reserva de mercado
mas pra mim tá de boa, é sossegado
deixemos as batatas, perdedores

Poetas são bem poucos, não confunda
é quem já transcendeu e acende a bunda.
Terão nos vagalumes professores?

sábado, 10 de julho de 2010

Medindo a crítica

Definitivamente de mau gosto
Aprisionar o verso com a métrica
A fôrma antiga usar, coisa patética
Arrisca a descambar pro lado oposto

Por isso estou aqui deixando exposto
Desgosto que me dá tão tosca estética
É quase um atentado contra a ética
Escritor que se preza vire o rosto

Porque se fosse assim, questão de prática
Bastava que soubesse matemática
Usasse esdruxulice e não talento

Porém só livre o texto é poesia
A forma fixa dá claustrofobia
Se for pra medir verso eu me aposento.

sexta-feira, 9 de julho de 2010

Perdendo dentes

Definitivo fosse o verso e se acabasse
qualquer intento para o resto do futuro
fosse inteiriço e mais potente que esconjuro
e depois desse qualquer lira fracassasse

Definitiva fosse a frase e não restasse
que não repita, que não diga muito tarde
Silenciassem ecos, gritos, falso alarde
e fosse enfim o mais perfeito desenlace

Mas sinalizam as garrafas para os mares
muitos lugares entre ventos e correntes
vate-engrenagem gira em torno do presente
perdendo dentes, às centenas, aos milhares

e brotam vozes pelos poros, cotovelos...
Olhos enormes, quem será que pode vê-los?

quinta-feira, 8 de julho de 2010

Dependência

porque tudo em mim
depende do ido
depende do sim

porque tudo em mim
mais eco ruído
me sobra aos ouvidos

porque me depende
no tempo e no espaço
porque vida em frente
no vento e no braço
porque sou semente
daquilo que nasço

dependo de tudo
e tudo por fim
também dependente
de muito de mim

quarta-feira, 7 de julho de 2010

Não-voo

já usei por exemplo
um terno com os bolsos costurados
e já saí
com sapatos trocados
foi nem tão som
fui de claro a quadrado
mais enfim saído mudo
nada é reto, nem me iludo
se retorno o mesmo tom

mas qual era mesmo o dom?

e de que falava o antes?

nem respondo
e já disse que não vou.

domingo, 27 de junho de 2010

Inês

Agora é tarde,...  Inês, assassinada,
não intercederá por vossas vidas,
vossas mortes serão mais merecidas
do que meu triste fado sem a amada

Pagar-me-eis com sangue a vil cilada
enquanto fingis face arrependida,
porém sabendo justa mi’a medida
- vosso castigo excede? Nunca, em nada!

Antes beijai a mão da esposa minha
Ajoelhai! – mesuras à rainha!
vosso tremor o fio da espada aborta

E súplicas direis por vossas sortes?
Tivésseis vinte vidas, vinte mortes
ganharíeis, pois eis,  ...Inês é morta.

sexta-feira, 25 de junho de 2010

Perdendo

Já perdi alguns amigos. Para a religião, a política, os excessos, o crime, a distância, a morte.
Piadas, também já perdi algumas.

O espaço da poesia

Kleider voltava da faculdade, meia noite no máximo, quando pensou num poema. Com sua urgência peculiar, resolveu escrever sentado ao meio-fio, quando a viatura surge e o policial o aborda:
- Que tá fazendo?
- Poesia – responde simples.
- Então deixa eu ver...
Pega o caderno, lê os primeiros versos...
- Então o cara é poeta?! Levanta, mão na cabeça...

sábado, 12 de junho de 2010

consumo

é fome de ti o enredo
sem garfos, colher nenhuma
nem etiqueta eu concedo
amor aqui se consuma

segunda-feira, 24 de maio de 2010

Falhando

Falhando



Andei falhando para com o império
Fugi temendo como um salafrário
Me torturando quase por salário
Andei mordendo parecendo sério

me consumindo, comum operário
meu parecer se revelando estéreo
Ia engolindo um pouco de impropério
meu outro ser que pereceu contrário

Me fiz mistério que sumi querendo
meu outro otário descobrisse um tanto
Fui tão hilário quase dedurando

É pelo etéreo que eu andava sendo
E tudo crendo comum por enquanto
Andei querendo quase que pensando

sábado, 1 de maio de 2010

Trovas

Alguns

Acaba-se a controvérsia
se combinarmos assim:
saem quatro da inércia
- eu, me, eu mesmo e mim.

***

Quase nada

Quase nada ando dizendo
falo já sonambulando
repetindo o que anda sendo
desde sempre, vez em quando.

***

Ouvi tantos estribilhos
quase insanos, surreais...
Como estórias fossem filhos
Como letras fossem mais.

***
Passou...

E terríveis pedras eram,
no caminho, traiçoeiras...
Mas em pó se desfizeram,
Antes pedra, hoje poeira...

***

Os sérios

Certos nobres, em revide,
desfilam tais impropérios
por serem, não se duvide,
homens de bem, os mais sérios.

***

Meu sonho

Que o real nunca respalda,
que não passa de utopia
eu sei e sabe essa lauda
...vou fingir que não sabia.

***

No banco (levemente alterado)

No banco (levemente alterado)

Todos os meses visito o gerente da agência bancária que controla meus débitos, ao menos uma vez ali pelo fim do mês, comecinho d’outro. Ontem, novamente, lá estava eu, conta irregular e cartão invalidado, aguardando na fila com assistente social, oficial de justiça, advogado e moça sei lá o quê, executada num processo qualquer, talvez. Cabe esclarecer, pra quem não adivinhou, que é uma daquelas agências de dentro dum fórum, exclusivas para servidores e questões jurídicas. Ah, sim, e eu, um dos badecos de lá, estava em horário de trabalho que precisaria compensar depois, pouco afeito à idéia de que a espera demorasse, e já se iam vinte minutos, dia de pagamento.
Minha colega Regina estava já no caixa, eu o próximo, quando uma moça loura, seus vinte e poucos anos, chega, olha pra Dulce, a caixa do banco, olha pra fila, e entra tomando minha frente, justo quando Regina terminava suas questões e saía. Eu, instintivamente – Ei, moça, tem fila!! – e ela me ignorou. Insisti no “moça, tem fila!!” e ela em não me ouvir. Dulce olhou de um jeito estranho, que interpretei como um “O que você disse?”. – Nada não, respondi em voz alta mesmo.
Primeiro, para justificar minha percepção tacanha, questões arquitetônicas: a dita agência é bem pequena, tem um só caixa, a Dulce, e o gerente, Vicentinho. A fila fica do lado de fora e no momento que chegou a senhorita fura-filas restavam apenas a executada e eu, não nessa ordem, aguardando atendimento. Realmente, cri por um instante que aquela atitude pouco cidadã se devesse à indecisão sobre se aquilo se tratava ou não de uma fila.
E depois uma questão sociológica: a moça parecia do que chamam boas origens, olhos verdes, cabelos muito lisos, pequena, menos de 1,60 metros, em roupa social leve, ar altivo, uma advogada patricinha na minha avaliação, apressada como ela.
Depois de várias contas pagas, transações bancárias e atualizações cadastrais realizadas, chegou minha vez de pedir aumento no limite de crédito e ser informado que a fura-filas se chamava Dra. Alguma Coisa, juíza substituta com quem eu trabalharia a partir daquele dia. Fui informado pelo Vicentinho – É foda, né?! Ainda bem que nem todos são assim. – Ainda bem, respondi e respondo.
Devo dizer que como completo bundão que sou tremi nas bases quando soube de quem se tratava. – Você sabe com quem está falando? - Ouvi sem falarem, e eu não sabia, que se soubesse não me atreveria a repreendê-la. Abandonei a disposição à luta inglória, a tentar catar o Mike Tayson no soco.
Mas que seria bom... Mas que seria ótimo ter o PODER é sem dúvida. Atravessaria filas pelos bancos do mundo, que é muito melhor que débito automático ou office-boy. Jamais usaria a internet nem o auto-atendimento, que aprendi a empáfia.